Vamos a 2016!

Publicado em 04/mar/2016 por Administrador - Sem Comentários

ale

 

Autor: Alexandre Constantine, diretor Executivo

Assim que o ano de 2015 começou, já tínhamos o prenúncio de que seria um ano bem difícil em relação à economia, desenvolvimento do país e mercado, com baixas perspectivas de melhora e retomada. Com o passar dos meses, e com a piora do cenário político e econômico, esta previsão só se concretizou.

Infelizmente tivemos o pior PIB desde 1990, e olha que em 1991 já houve crescimento, o que está bem longe de acontecer o ano que vem. Foi surpreendente ser acordado por notícias inimagináveis da lava jato, mais surpreendente ainda foi ver quem foi acordado pela própria lava jato. Foi o ano que apresentou o maior déficit da nossa história, mas também o ano em que vimos, surpresos, penas de 10, 15 e 20 anos para, até então, pessoas intocáveis. Começamos a punir e renovamos a esperança de acabar definitivamente com o “rouba, mas faz”, seja quem for que roube e independentemente do que seja esse faz. Com toda a dificuldade financeira do país, começamos a exigir mais ética, isso foi ótimo. Se estivéssemos na bonança, os desalinhos teriam passados despercebidos ou acobertados.

Cansamos de tanta notícia e dados ruins (ou péssimos).

Porém, apesar dos cenários desanimadores e das adversidades e dificuldades, nós não podemos simplesmente ignorar o fato de que precisamos prosseguir. Se a retomada do crescimento do país, depois de toda esta lambança político-econômica, só virá na melhor das hipóteses em meados de 2018, ou até mesmo no próximo mandato presidencial, temos que enfrentar o desânimo que essa perspectiva embute e não podemos esperar até lá: precisamos produzir e gerar inovação e empregos. A vida continua, quer a guerra de Cunha e Dilma acabe ou não, quer os ajustes planejados por Levy sejam feitos ou ainda que o Barbosa decida ressuscitar a matriz econômica. Precisamos enxergar as oportunidades em tempos de crise, olhar o copo meio cheio. Não é muito batido o “enquanto alguns choram, outros vendem lenços”? Então…

Não podemos esquecer que as soluções mais criativas e inovadoras vêm nos momentos mais difíceis e foi isso que freneticamente buscamos na VoxAge esse ano.

Por isso, tomamos algumas ações que foram essenciais para manter a empresa crescendo e se mantendo competitiva.

Em primeiro lugar, entendemos que as empresas precisam se ajustar ao novo cenário, já que todas as verticais foram impactadas, e trabalhamos o conceito de redução de custos aliado à tecnologia, ajudando nossos clientes com os cálculos de ROI (retorno sobre o investimento) e como fazer mais com menos. Desta forma, conseguimos manter a viabilidade de nossos projetos adequadas às necessidades dos clientes, levando aumento de receita e/ou redução de custos às empresas.

Outra ação tomada foi a reorganização de nossos departamentos, buscando a especialização de nossas equipes por características de projetos. Isto nos ajudou a focar no atendimento, desenvolvimento, integrações e customizações para cada perfil de projeto e indústria, para cada diferente tipo de operação de relacionamento.

As melhorias em nossos produtos também não poderiam ser deixadas de lado. Apesar do ano turbulento, não paramos de investir em nossas soluções, agregando funcionalidades, dashboards, relatórios, layouts e novas tecnologias. Cerca de 3 releases foram lançados este ano e implantados em nossos clientes, todos com melhoras significativas.

As nossas ações de comunicação focaram o meio digital, por vertical de atuação estrategicamente selecionadas. O investimento foi direcionado e assertivo.

E conseguimos resultados positivos!

Anualmente, costumamos perguntar aos nossos clientes, por meio de uma pesquisa de satisfação estruturada, qual é a opinião sobre o nosso atendimento, serviços, produtos, modelo comercial e outras questões e percebemos que os índices aumentaram significativamente em relação a 2014.  O índice que mais aumentou foi a percepção que a VoxAge é melhor do que os nossos concorrentes. Isto ratifica que estamos no caminho certo, nos enche de orgulho.

Segundo nossas projeções finais, o esforço de reestruturação, novos investimentos e melhorias impactarão positivamente em nossos resultados, cujo percentual de crescimento ficará entre 10% e 15% em relação a 2014. Crescemos de 90 para 110 a quantidade de plataformas instaladas e em operação. Estamos pelo 5º ano consecutivo na lista das melhores empresas para se trabalhar. Somos uma das maiores 200 empresas de TI do Brasil, estamos na lista das PMEs que mais crescem, na lista das 100 maiores empresas de telecomunicações. Ganhamos, com os cases de nossos clientes: Prêmio Latam (Saraiva), Prêmio Nacional de Telesserviços (BR Telemática e BMG/Itaú), Prêmio ABT, ClienteSA-Recuperação de Crédito e IRC (todos com a Oi).

Conquistamos novos clientes importantes como Suplementos Krom, Intervalor, Tricard, Diebold, Caixa, Kantar, ClearSale e Marabraz.

E para 2016 teremos muitas novidades para apresentar ao mercado, um verdadeiro salto tecnológico, como por exemplo, possibilidade de virtualização dos servidores da solução, a utilização de ferramentas de BI para análise de resultados, WebRTC para permitir o relacionamento (voz, dados e imagem) utilizando apenas o browser, o lançamento da possibilidade de um novo canal de relacionamento através de app (adquirimos o app MeAtende), uma plataforma para relacionamento pessoal com deficientes visuais, entre outras novidades como a complementação de nossas plataformas com soluções de parceiros estratégicos nas áreas de WFM, Analytics, Controle de Qualidade, CRM e Cobrança.

O que quero dizer com tudo isso? Apesar de toda influência externa (política, econômica e social), fizemos a nossa parte e teremos que continuar nessa caminhada, driblando as adversidades, para conseguir atingir, também o ano que vem, o tão perseguido SALDO POSITIVO!

Vamos a 2016!


0 Comentários

Deixe o seu comentário!